TRABALHO, LOGO EXISTO
TRABALHO, LOGO EXISTO

Fórum de reflexão sobre temas Laborais
 
InícioInício  CalendárioCalendário  FAQFAQ  BuscarBuscar  Registrar-seRegistrar-se  LoginLogin  
Compartilhe | 
 

 AMBIÇÃO E GANÂNCIA

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Admin
Admin


Mensagens: 10
Data de inscrição: 27/03/2010

MensagemAssunto: AMBIÇÃO E GANÂNCIA   Seg Mar 29, 2010 9:05 pm

Ambição vs Ganância

A ambição é uma das molas mestras do sucesso. Ter ambição é querer ardentemente; é colocar a mente e a vontade focadas num objectivo e tudo fazer para que ele se concretize.

A ambição sem medida pode ser negativa. Mas a ambição dentro dos limites da ética é altamente positiva. Uma pessoa sem ambição não terá sucesso, pois não encontrará os motivos para lutar e vencer.

A ganância é totalmente negativa. A ganância é um dos maiores factores de fracasso na vida pessoal e profissional.

A pessoa gananciosa não vê limites para ganhar o que deseja. Ela não tem nenhuma ética, nenhuma consideração de respeito às demais pessoas.

Para o ganancioso, os fins justificam os meios. Vemos, com tristeza, pessoas e empresas que ultrapassam os limites da ambição passando rapidamente para a ganância.

Mas a ganância é um monstro insaciável: quanto mais a alimentamos, mais fome tem. E tem um poderoso efeito destrutivo das relações humanas, da verdade e do clima nos locais de trabalho. A ganância, uma vez à rédea solta, aniquila o carácter das pessoas e destrói todas as qualidades humanas.

A História da Humanidade prova que a ganância do homem não é um exclusivo do capitalismo:

Para Karl Marx (1818-1883), filósofo e revolucionário alemão, o materialismo histórico conduz à visão de que com a alteração da base económica da sociedade, também se altera a consciência, pelo que, a ganância, o egoísmo e a cobiça não constituem uma fatalidade de carácter da natureza humana. Estas características seriam eliminadas pela colectivização da propriedade e dos meios de produção privados. Para a concepção dessa sociedade, Marx foi também influenciado por Tomas More, através da sua obra “Utopia”.

Recentemente, foi afirmado por Francisco Louçã, na intervenção de encerramento da VI Convenção Nacional do Bloco de Esquerda, que a ganância é o "nome próprio do capitalismo". Todavia, não acrescentou que também o foi nas sociedades com modelos sociais e de produção esclavagista, feudal e comunista. Em termos filosóficos, sociológicos e religiosos, o conceito da ganância é abordado há milénios. Não constitui uma novidade para a Humanidade. A História das Ideologias ilustra esta questão com grandes referências do pensamento humano e religioso.

Bastará relembrar algumas para contrariar a tese da atribuição da ganância à exclusividade do capitalismo.

Na fase histórica do esclavagismo, e no período antes de Cristo, podemos recordar Platão (427-347, a.C.) – o primeiro pedagogo, por ter concebido um sistema de educação para a época, integrado numa dimensão ética e política.
Platão acreditava que, por meio do conhecimento, seria possível controlar os instintos, a ganância e a violência. O acesso aos valores da civilização funcionaria como antídoto para as maldades cometidas pelos seres humanos contra seus semelhantes.

“Como pode uma sociedade ser salva, ou ser forte, se não tiver à frente seus homens mais sábios?”, escreveu Platão.

No Novo Testamento, os textos da doutrina de Cristo abordam o homem rico e a sua atitude para com as riquezas: “acautelai-vos e guardai-vos da avareza; porque a vida de qualquer não consiste na abundância do que possui”, Lucas (12;15); “ é mais fácil um camelo passar pelo fundo de uma agulha do que entrar um rico no reino de Deus”, Mateus (19;24).

Seis séculos mais tarde, Maomé (570-632) transmitiu aos seus seguidores um rígido código moral e ético, com determinadas alertas e proibições, entre as quais se destacam a ganância e desonestidade nos negócios, os jogos de azar. “A concórdia é o melhor, apesar de o ser humano, ser propenso à ganância” (Corão)

No século XVI, Thomas More (1478-1535), homem de estado, diplomata, escritor, advogado e homem de leis, foi autor da obra “Utopia”, inspirada no livro “República” de Platão. Para ele o bem individual é subjugado ao bem geral, considerando que através dos tempos “torceram o evangelho como se fosse uma lei de chumbo, para modelá-lo segundo os maus costumes dos homens”. Condenou a vida de luxos em cima do trabalho de outros. Thomas More chegou ao cargo de Chanceler de Inglaterra. Mas, os conflitos com Henrique VIII e Ana Bolena levaram-no à prisão perpétua e depois à morte por crime de alta traição. Foi reconhecido como mártir e declarado beato pelo Papa Leão XIII, em 1886, e “Patrono dos Estadistas e Políticos”, pelo Papa João Paulo II, no ano 2000.

Voltando à ganância, vale a pena citar, demoradamente, Max Weber, na "Introdução" à "A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo": "Instinto do lucro, sede de ganho, de dinheiro, do maior ganho monetário possível, não têm absolutamente nada a ver com o capitalismo.”

Infelizmente todos conhecemos Gananciosos que querem passar por Capitalistas…
Voltar ao Topo Ir em baixo
http://trabalhologoexisto.forumeiros.com
 

AMBIÇÃO E GANÂNCIA

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1

 Tópicos similares

-
» Convivência entre religiões
» Tolerância nas democracias
» Produto de alto risco oferecido por bancos está a levar várias empresas à falência
» Termo de Concordância do Servidor!
» A CONSCIÊNCIA EXISTENCIAL...

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
TRABALHO, LOGO EXISTO :: -